Home Qual é a Sua? Mountain Bike Depois do Mundial de MTB, o que esperar dos Brasileiro nas Olimpiadas Rio2016
Depois do Mundial de MTB, o que esperar dos Brasileiro nas Olimpiadas Rio2016

Depois do Mundial de MTB, o que esperar dos Brasileiro nas Olimpiadas Rio2016

1.31K
0

No final de semana em que Henrique Avancini conquistou a melhor posição de um Brasileiro num Campeonato Mundial de Mountain Bike, e que Raiza Goulão demonstrou muita força de recuperação, levantaremos algumas questões sobre como deverá ser a participação dos nossos atletas nos Jogos Olimpicos do Rio.

Se nenhum imprevisto acontecer, o pódio masculino será composto por Nino Schurter, Julien Absalon e por algum outro atletas como Kulhavy, Tempier, Stirnemann, Cink, Hermida, Voguel, Fluckiger ou outros.

Avancini, desde o ano passado, tem feitos bons inícios de prova. Ele sempre figura entre os 15 ou 20 melhores nas primeiras voltas. Seu rendimento vem caíndo ao longo da prova e muitos atletas, alguns até pouco conhecidos por nós brasileiros, andam na sua frente.

Infelizmente ele não conseguiu se consolidar entre os 10 ou 15 melhores e desta forma ele se distancia dos ponteiros e perde a chance de brigar pelas melhores posições.

Há alguns fatores que podem ser analisados como causa desta condição: Quem assiste as transmissões ou recorre aos replays das etapas da Copa do Mundo ou do Mundial pode ver que os circuitos são muito técnicos. Será que isto pode estar influenciando?

Sabemos que no Brasil há escassez de provas de XCO. Grande parte das competições são de maratona (XCM ou XCP) e mesmo as provas tradicionais estão longe de possuírem cirtuitos técnicos como as provas europeias. Os brasileiros estão preparados para isto? Tudo bem que os nossos atletas estão fazendo uma boa preparação no exterior! Mas e a base?

Vejam no vídeo abaixo como é formação do futuro do MTB na Suiça por exemplo… e isto acontece em todos os países que vemos liderando as competições, inclusive na Colômbia.

Estamos à anos luz longes disto!!!

Assistindo o evento teste das olimpiadas realizado em outubro de 2015 podemos ver que não se trata de um circuito tão técnico como o do Mundial na República Tcheca deste domingo, e isto pode representar alguma vantagem.

Veja o replay da prova à borda da bike de Julien Absalon:

Na nossa opinião o que vem faltando para o principal atleta brasileiro do MTB, Avancini, não é potência nem resistência. Isto ele vem demonstrando que possui em provas mais “roladas” e que exigem resistência, como o Cape Epic e Brasil Ride.

Alguns fatores poderão fazer a diferença: nosso fundamental apoio durante a prova, as condições climáticas e principalmente a motivação por estar competindo em casa.

Daremos apoio incondicional!!!

O mesmo apoio daremos para Rubens Donizete, o “Rubinho”, que já tem seu nome escrito na história do MTB brasileiro com a conquista do 21º lugar nas olimpiadas de Pequim em 2008. Ele deverá treinar bastante para fazer um boa prova já que ficou na 90º posição neste domingo.

No feminino, Raiza Goulão vem apresentando uma evolução gigantesca!

Depois de ter feito um largada ruím ficando na 40º posição, ela demonstrou muita força ao buscar a recuperação e finalizar na 23° colocação. Quem anda de MTB e compete sabe que isto é um desempenho excepcional!

Ela mesma conta isto no seu Instagram. Veja:

A sua 11º colocação no KMC MTB Bundesliga, Alemanha, em junho, e a 17º colocação na Copa do Mundo de MTB Cross Country, em La Bresse, na França nos fazem ter expectativas bem positivas sobre sua performance no Rio em agosto.

Um pódio é algo que realisticamente não conseguimos imaginar, mas com certeza um top10, que será um resultado excepcional, ela tem totais condições de buscar.

Temos acompanhado pelos perfis da atleta nas redes sociais a preparação que ela vem fazendo para os jogos olimpicos. Esta preparação envolve competições no exterior e períodos de treinamentos em países com maior tradição. Sem dúvida isto está refletindo nos seus crescentes bons resultados.

O caminho está aí… os atletas brasileiros precisam buscar o aperfeiçoamento onde estão os melhores: na Europa, e isto envolve competir provas internacionais, participar de estágios e treinamentos nos grandes centros do MTB e assimilar os conhecimentos dos melhores do mundo.

Só que para isto acontecer são necessários investimentos… e aí… ja viram!!! Estamos no Brasil.

E quando eles acontecem, há pessoas para fraudar, como pode ser visto na matéria publicada pela ESPN (Fraudes e superfaturamentos: PF investiga esquema que tirou milhões de atletas olímpicos).

O que você acha??? Dê sua opinião…

Deixe sua opinião!!! Vamos compartilhar...

comments

Guilherme Guimarães Guedes Editor e produtor de conteúdos para o site BikeTribe.com.br. Atleta amador de Mountain Bike. Participo de competições por todo o Brasil. Administrador da Equipe Bike Tribe Team. Treinador: Prof. Daniel Adário da Adário Consultoria Esportiva
Please enter Google Username or ID to start!
Example: clip360net or 116819034451508671546
Title
Caption
File name
Size
Alignment
Link to
  Open new windows
  Rel nofollow